Criador do ChatGPT está preocupado por ter feito algo “realmente ruim” ao lançar IA

Sam Altman, CEO da OpenAI e um dos criadores do ChatGPT, afirmou que recentemente surgiu uma preocupação sobre o efeito negativo que esta plataforma pode ter, que teve um crescimento exponencial e inspirou outros sistemas de inteligência artificial.

“O que mais me tira o sono é a hipótese de que já fizemos algo realmente ruim ao lançar o ChatGPT”, afirmou o executivo em entrevista ao Time of India.

Embora não considere que a ideia da plataforma e o fato de tê-la lançado no mercado sejam um erro, ele reflete sobre seu impacto na indústria e no que podem fazer com ela.
“Há a hipótese de que nós, ao lançar o ChatGPT no mundo, disparámos a indústria por um canhão de trilho e agora não teremos muito impacto,” disse.
Um dos aspectos mais mencionados diante do crescimento da inteligência artificial é a necessidade de regulá-la, já que os avanços desta tecnologia permitiram que os cibercriminosos tenham ferramentas melhores para realizar fraudes. Mas também surge a obrigação para que as empresas a usem com responsabilidade e ponham limites em seus desenvolvimentos.

Para alcançar uma regulação, Altman afirma que é necessário ter “um sistema em funcionamento para que possamos auditar as pessoas que o estão fazendo” e contar com as “provas de segurança” suficientes antes de implantar uma plataforma e abrir o acesso às pessoas.

Preocupações da OpenAI sobre a inteligência artificial

Esta não é a primeira vez que Altman se manifesta sobre os efeitos que esta tecnologia pode ter no futuro. Há alguns dias, o executivo foi um dos líderes que assinou um comunicado publicado pelo Centro para a Segurança da Inteligência Artificial, que afirma que a IA poderia gerar possíveis eventos de “extinção” para a sociedade. No texto, sugere-se que, para iniciar a regulamentação, a conversa deve se concentrar em reduzir os possíveis perigos que a criação de versões mais avançadas possa acarretar.

Mitigar o risco de extinção pela IA deve ser uma prioridade global, juntamente com outros riscos para a sociedade, como pandemias e guerra nuclear”, afirmou no comunicado.
O CEO da empresa reiterou várias vezes que é necessário regulamentação para essa tecnologia, a fim de proteger os usuários. Além disso, deixou claro que a inteligência artificial com capacidade para dominar o mundo só está presente nos filmes, mas teme que possa ser usada para gerar conteúdo direcionado a desinformar as pessoas.
“Um dos meus maiores medos é que nós, como indústria e tecnologia, causemos um dano significativo à sociedade. Se essa tecnologia seguir pelo caminho errado, pode chegar muito longe. E queremos trabalhar com o governo para evitar que isso aconteça”, afirmou Altman recentemente ao Senado dos Estados Unidos.

O empresário lembrou que, embora a OpenAI seja uma empresa privada, é controlada por uma organização sem fins lucrativos, o que a obriga a “trabalhar para uma ampla distribuição dos benefícios da IA e maximizar a segurança dos sistemas baseados em IA”. Mas, ao mesmo tempo, eles sabem que “a inteligência artificial tem o potencial de melhorar quase todos os aspectos de nossas vidas”.

Fonte/Reprodução: Gazeta Brasil